domingo, 30 de setembro de 2018

Livro Investindo em Ações no Longo Prazo, do autor Jeremy J. Siegel




Olá pessoal,

  Conforme prometido, irei falar um pouco sobre o livro Investindo em Ações no Longo Prazo, do autor norte-americano Jeremy J. Siegel. Vou explicar porque ele tem uma abordagem mais otimista do que o livro de Benjamin Graham no tocante ao retorno das ações no longo prazo.
  Apesar de se tratar de um livro escrito totalmente dentro da realidade norte-americana assim como o livro de Benjamin, podem-se tirar algumas conclusões dele no que diz respeito às ações. Ao longo da leitura do livro, consegui destacar alguns trechos que faz o investidor iniciante refletir sobre as vantagens de se investir em ações visando o longo prazo.
   Assim como eu fiz no artigo anterior, vou tentar abordar as lições tiradas do livro sem me alongar muito para que o artigo não fique cansativo. Logo no início do livro, ao tratar do assunto demografia mundial e onda de envelhecimento, o autor lança uma pergunta fundamental: os trabalhadores dos mercados emergentes são capazes de produzir bens suficientes para atender aos aposentados do mundo desenvolvido e esses trabalhadores podem economizar uma renda suficiente para comprar os ativos que os aposentados do mundo desenvolvido precisam vender para financiar sua aposentadoria? O autor responde que neste exato momento não, pois embora 80% da população mundial viva nos países em desenvolvimento, essas economias geram apenas metade da produção mundial. Porém, o autor afirma que essa proporção está mudando rapidamente. Segundo ele, o crescimento do PIB da China e da Índia é particularmente notável e continuará sendo até o final deste século. Ao lançar essa pergunta, o autor mostra que o PIB mundial irá crescer até o final deste século ao invés de diminuir, pois a onda de envelhecimento no mundo inteiro será compensada pelo crescimento populacional e consequente aumento da produtividade nos países emergentes, preenchendo a lacuna. E tudo isso favorece o investimento em ações no longo prazo.
   Em outro trecho mais adiante, o autor mostra o retorno total dos ativos desde 1802 nos EUA em um gráfico (não vou mostrá-lo aqui no artigo), onde o retorno anualizado das ações é de 8,1%, enquanto que o dos títulos públicos é de 5,1%, o das letras é de 4,2%, o do ouro é de 2,1% e o do dólar é de 1,4%, ou seja, o retorno das ações sobrepuja o dos outros ativos com sobras, de “lavada”. Sem levar em consideração que foi analisada apenas a média do mercado acionário (o autor fala em carteira ponderada por capitalização), pois se compararmos apenas com as ações mais rentáveis, essa diferença aumenta ainda mais. O autor ainda destaca que é fundamental compreender que o retorno total das ações retratado no gráfico não representa o crescimento no valor total do mercado acionário dos Estados Unidos. A riqueza em ações aumenta a um ritmo significativamente mais lento do que o retorno total das ações. O retorno total aumenta mais rapidamente do que a riqueza em ações porque os investidores consomem a maior parte dos dividendos pagos pelas ações e, portanto, esses dividendos não são reinvestidos e não podem ser usados pelas empresas para gerar capital. Na minha concepção, esse é o trecho mais importante do livro. Se o leitor compreender esse importante detalhe e encaixar na sua estratégia de investimento, não tenho dúvidas de que conseguirá obter um ótimo resultado no longo prazo.
  Existem vários outros trechos valiosos no livro, mas prefiro que o leitor descubra por si próprio. Citei apenas os que eu considero mais importantes. Aconselho o investidor a adquirir o livro após ter lido o livro O Investidor Inteligente, pois um complementa o outro com abordagens diferentes. Cabe a cada leitor ter uma reflexão crítica de cada livro após a leitura de ambos e tirar as suas próprias conclusões.
  Espero ter contribuído mais uma vez para a comunidade de investidores e desejo uma excelente leitura a todos. Bons estudos e bons investimentos!

Abraços,
Seja Independente

Nenhum comentário:

Postar um comentário